terça-feira, 30 de agosto de 2016

Protesto contra sindicalização e pela privatização dos minérios gera 4 mortos na Bolívia

Sob a fachada de "cooperativas", empresas forçaram confronto
Ministro do Interior, Rodolfo Illanes foi sequestrado e torturado até a morte por empresários que se faziam passar por sindicalistas

Leonardo Wexell Severo

"Eram empresas camufladas de cooperativas mineiras”, afirmou o presidente da Bolívia, Evo Morales, denunciando os responsáveis pelo confronto que custou a vida de quatro pessoas, entre elas três mineiros e o vice-ministro do Interior, Rodolfo Illanes, seqüestrado e torturado até a morte na última quinta-feira (25).  Evo alertou que empresas privadas e algumas cooperativas mineiras “enganadas por alguns dirigentes” chegaram a obrigar trabalhadores eventuais a mobilizarem-se para defender as reivindicações pessoais de lideranças. “O governo nacional derrotou um golpe de Estado. Há documentos que dizem textualmente que a ação era para derrubar o governo”, frisou.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Milhares de paraguaios defendem renúncia de Cartes e anulação do caso Curuguaty

Multidão marchou pelo centro da capital para exigir justiça para os camponeses presos políticos de Horacio Cartes

"Nâo queremos e não permitiremos que um narco-presidente oprima nossa gente", entoou a multidão, exigindo liberdade para os sem-terra

Leonardo Wexell Severo, de Assunção

Uma multidão tomou as ruas de Assunção nesta segunda-feira (15), data em que aniversaria a capital paraguaia, para defender “a imediata anulação do julgamento dos camponeses de Curuguaty e a renúncia do presidente Horacio Cartes”.Portando bandeiras paraguaias, faixas e cartazes, trabalhadores do campo e da cidade, estudantes, mulheres e indígenas se concentraram em frente ao Tribunal de Justiça - onde desde a decretação da sentença do caso Curuguaty, há um mês, foi erguida a “Barraca da Resistência” - para exigir a libertação dos sem-terra condenados a até 35 anos de prisão.

sábado, 13 de agosto de 2016

“Alvo do massacre de Curuguaty sempre foi a reforma agrária”

Rubén: Confiança na vitória da luta pela verdade e a justiça

Denuncia Rubén Villalba, sem-terra paraguaio condenado a 35 anos de prisão


Leonardo Wexell Severo, de Assunção

“O alvo do massacre de Curuguaty, em que morreram 11 companheiros camponeses e seis compatriotas policiais, sempre foi a reforma agrária. Como se viu e ouviu nos depoimentos, nas provas apresentadas pelos nossos advogados, foi uma ação planejada com o objetivo claro de matar. Daí a selvageria e a desproporção de forças utilizada contra nós. 230 policiais, com helicóptero e armas automáticas sofisticadas chegaram no acampamento onde estávamos 37 pessoas para fazer uma ‘averiguação’ sem apresentar qualquer documento. Franco-atiradores abriram fogo e se efetivou um despejo em favor da família Riquelme, vinculada à ditadura de Stroessner, que nunca foi dona daqueles dois mil hectares de terra. Com o sangue de inocentes falsificaram a história e derrubaram o governo de Fernando Lugo uma semana depois daquele 15 de junho de 2012. Transformando vítimas em culpados, querem que sirvamos de exemplo para todos aqueles que ousarem colocar em xeque o poder do latifúndio, da oligarquia e das transnacionais”.